• equipa de medicos
    CIRURGIA CARDIACAMINIMAMENTE INVASIVA
CirurgiaCardiaca

Tratamento cirúrgico das doenças que acometem o coração e as valvulas cardíacas.
Com a incorporação de tecnologias de vanguarda, a especialidade tem vivido grandes transformações devido a possibilidade de intervenções minimamente invasivas.

Cirurgia minimamente invasiva
  Cirurgia Cardiaca Minimamente Invasiva:
  Substituiçao valvular aórtica
  Reparaçao Valvular Mitral
  Cirurgia Coronária
  Tratamento endoscópico da Fibrilhacao auricular
  Encerramento endoscopico do Apendice auricular esquerdo
  Cirurgia da Aorta
DoençaCoronária

Cirurgia Coronária
O coração como bomba muscular precisa ser alimentado para manter a sua função. A alimentação e oxigenação do músculo do coração é realizado pelas artérias coronárias e os seus ramos. Existe uma coronária esquerda, que se divide em descendente anterior e circunflexa, e uma coronária direita.

As artérias coronárias podem ser afectadas pela arteriosclerose e calcificação o que pode provocar uma obstrução parcial ou total do lúmen da artéria levando a uma redução do fluxo de sangue. Esta falta de fluxo de sangue é a causa da Angina de peito. Quando a falta de sangue é completa ou durante muito tempo, pode causar a morte de áreas musculares, o que é conhecido como Enfarte de Miocárdio.

O tratamento das artérias coronárias pode ser realizado com fármacos ou pela Cardiologia de intervenção com a colocação de stents e nos casos mais graves ou em que o tratamento médico não é suficiente, pela cirurgia cardíaca com a implantação de condutos ou By-pass aorto-coronários para a realização de um tratamento completo e normalmente definitivo.
Descrição da cirurgia coronária (MIDCAB)
Chamamos MIDCAB ou MICS CABG à cirurgia coronária minimamente invasiva, realizada por uma pequena incisão infra-mamária esquerda para fazer a colheita da artéria mamária interna e realizar as anastomoses coronárias.

Realizada sem circulação extracorporal em 100% dos doentes (Cirurgia Off-Pump);
Utilização de enxertos arteriais sempre que possível, nomeadamente artéria mamária interna esquerda e direita e artéria radial quando indicado;

Extração de conductos venosos com técnicas minimamente invasivas.
DoençaValvular Aórtica

Stacks Image 11322
Cirurgia válvula aórtica
O coração pode definir-se como uma bomba muscular do tamanho do punho que bombeia continuamente o sangue para o distribuir pelo corpo; é formado por quatro compartimentos ou câmaras; duas aurículas e dois ventrículos. Cada ventrículo tem uma válvula de entrada e outra de saída.

Os problemas com as válvulas cardíacas são causados, na grande maioria dos casos, por defeitos congénitos, febre reumática, infecções ou por causas degenerativas dos tecidos relacionados com o envelhecimento.

A doença das válvulas pode fazer com que não abram correctamente, o que dificulta a passagem de sangue, estenose valvular, ou que não fechem completamente e haja uma perda, insuficiência valvular, ou uma combinação das duas, dupla lesão valvular.

Na cirurgia das válvulas cardíacas é realizada uma reparação ou uma substituição da válvula nativa por próteses que podem ser de materiais totalmente sintéticos ou biológicos.
Descrição da cirurgia minimamente invasiva
Fazemos uma incisão de 6-8 cm para realizar a abertura parcial do terço superior do esterno, Miniesternotomia mediana.

Realizada com circulação extracorporal e anestesia geral no bloco operatório. O procedimento consiste na substituição da válvula aórtica por uma prótese que pode ser mecânica ou biológica.

As indicações para a escolha do tipo de prótese dependem do doente; as próteses mecânicas são implantadas em doentes novos em que a esperança de vida é superior a 25 anos; com estas próteses os doentes fazem uma terapia anticoagulante o resto da vida.

As próteses biológicas tem a grande vantagem de não precisar de fazer anticoagulação, mas tem uma duração de aproximadamente uns 20 anos; no entanto, existem métodos alternativos para a substituição valvular aórtica de uma válvula biológica em caso de degeneração antecipada.


DoençaValvular Mitral

Cirurgia da Válvula Mitral
A doença valvular mitral está diagnosticada e tratada de forma insuficiente. Muitos dos doentes diagnosticados com patologias da válvula mitral não são referenciados para cirurgia, que continua a ser a ser a melhor opção terapêutica.

Os resultados a curto e longo prazo são melhores se é realizada uma reparação cirúrgica precoce da válvula mitral.

A estenose aórtica está a aumentar de forma exponencial por causa do aumento da esperança de vida dos doentes. Se não há contra-indicações, a substituição da válvula aórtica (AVR) está indicada para a maior parte dos doentes sintomáticos com Estenose Aórtica grave (ACC AHA 2008).

A idade não é uma contra-indicação para ser operado.

A possibilidade de realizar estas cirurgias por uma mínima incisão é possível em Portugal nas mãos dum cirurgião experiente da UMICS®.
Os doentes tem várias opções cirúrgicas:
Tipo de cirurgia
Tamanho da incisão
Esternotomia
Mínimo 15-20cm
Mini-esternotomia
5-8cm
Toracotomia
6-8cm
Mini-toracotomia
4-6cm
Cirurgia da Válvula Mitral Minimamente Invasiva (MIVS)
O que é?
A cirurgia valvular minimamente invasiva é realizada por um cirurgião cardíaco para tratar válvulas cardíacas através de pequenas incisões ou portas nos espaços intercostais, sem a necessidade de realizar uma esternotomia completa.

São usados uns instrumentos especiais para realizar esta cirurgia minimamente invasiva e o procedimento é seguro. São aplicadas as mais avançadas técnicas de reparação da válvula mitral, tendo uma taxa de reparação de 85% dos casos.

No caso de substituir a válvula mitral por uma prótese mecânica ou biológica esta abordagem de mínima incisão também pode ser aplicada.

Ao final do procedimento a incisão na pele é encerrada com uma sutura intradérmica com resultados estéticos excelentes.

A recuperação do doente é mais rápida e os doentes referem menos dor no pós-operatório e um regresso precoce às suas actividades diárias e profissionais.

Stacks Image 11324
Patologia daAorta

Stacks Image 11326
Cirurgia da Aorta
A dilatação da aorta ascendente é uma patologia que tem indicação para cirurgia quando atinge umas dimensões determinadas. (Guidelines AHA). Várias técnicas são realizadas em função do tipo de aneurisma que depende de atingir ou não a raiz da aorta.

A cirurgia de Bentall, David e substituição da aorta ascendente associada ou não a válvula aórtica pode ser realizada por técnicas minimamente invasivas pelos cirurgiões da UMICS.
Como é realizada a cirurgia da aorta
Realizamos uma incisão de 6 cm para realizar a abertura parcial do terço superior do esterno, Miniesternotomia mediana. Realizada com circulação extracorporal e anestesia geral no bloco operatório.

O procedimento consiste na substituição da aorta ascendente isoladamente ou associada a uma prótese valvular. Quando a raiz da aorta está também dilatada realizamos a cirurgia de Bentall, em que tem que ser reimplantadas as coronárias no conduto vascular.

Encerramento Endoscópico doApêndice Auricular Esquerdo

Prevenção do Acidente Vascular Cerebral em doentes com Fibrilhação Auricular
O apêndice auricular esquerdo é uma pequena cavidade do coração que, tal como o nome indica, está anexa à aurícula esquerda. Em caso de fibrilhação auricular, esta cavidade perde a sua capacidade de contracção e o sangue estagna no seu interior podendo formar trombos (coágulos).

Acidentes vasculares cerebrais (AVC) podem resultar do bloqueio súbito de artérias cerebrais por trombos que se libertaram do apêndice auricular para a corrente sanguínea.

Medicamentos anticoagulantes são habitualmente utilizados para reduzir o risco de formação trombos e consequentemente de AVC.

Contudo, uma fracção significativa de doentes sofrem hemorragias ou simplesmente não toleram estes fármacos.

O encerramento do apêndice auricular é a alternativa adequada para este grupo de doentes, reduzindo significativamente o risco de AVC em doentes com fibrilhação auricular.

O apêndice auricular esquerdo é encerrado por via minimamente invasiva.

São realizadas 3 pequenas incisões do lado esquerdo y com ajuda da Videotoracoscopia é ressecado o Apêndice Auricular esquerdo. O procedimento é seguro e vai evitar o tratamento prolongado de anticoagulantes.
Stacks Image 11339
Rede Hospitalar

A UMICS® conta com uma rede hospitalar em continuo crescimento, com o objectivo de
satisfazer os nossos pacientes nas diferentes áreas da medicina.

PEÇA-NOS MAIS INFORMAÇÕES

Para qualquer esclarecimento poderá contactar os nossos serviços de Patient Care através do preenchimento do formulário em baixo

Mais de 1.000 casos de sucesso

Equipa especializada com mais de 20 anos de experiência

Tratamentos comparticipados pela maioria das seguradoras de Saúde

Este campo contem caracteres alfanuméricos
Obrigado, a sua mensagem foi enviada com sucesso.×
Ocorreu um erro, por favor verifique os dados inseridos×

UMICS © 2018 | Políticas de Privacidade | Termos e Serviços | Cookies | Mapa do Site | Contactos