• equipa de medicos
    CIRURGIA TORÁCICAMINIMAMENTE INVASIVA
CirurgiaTorácica

Cirurgia Torácica

A Cirurgia Torácica identifica e trata doenças que atacam os órgãos internos do tórax. É uma das especialidades médicas que mais se tem beneficiado dos avanços tecnológicos ocorridos nos últimos anos. O uso de técnicas minimamente invasivas tem auxiliado milhões de pessoas em todo mundo a usufruírem de tratamentos mais eficazes, menos traumáticos, menos dolorosos e com rápida recuperação, obtendo assim mais qualidade de vida.

Cancro doPulmão

Cirurgia do Pulmão

O cancro no pulmão é o segundo tipo de câncer que mais cresce no mundo, sendo superado apenas pelo número de casos de cancro da pele. A Oncologia considera que há três tipos principais de cancro pulmonar:

  • Carcinoma pulmonar de células não pequenas: É o tipo mais comum de câncer pulmonar, reponde por aproximadamente 85% dos casos e uma das suas caraterísticas é que não se espalha rapidamente. Há três subtipos: Adenocarcinoma, Carcinoma de células escamosas e Carcinoma de grandes células.
  • Carcinoma de pequenas células: Representa cerca de 20% dos casos de câncer pulmonar. É um tipo mais agressivo e que se espalha rapidamente.
  • Tumor carcinoide de pulmão: Tipo mais raro, é identificado em cerca de 5% dos casos de câncer registrados. São chamados também de tumores neuroendócrinos, crescem lentamente e raramente se espalham por outros órgãos.
O principal fator responsável pelo surgimento do câncer no pulmão ainda é o tabagismo, ativo ou passivo. A deteção precoce é o fator determinante para o sucesso no tratamento desta doença. O maior problema é que o cancro de pulmão é assintomático na maioria das vezes e quando os sintomas surgem, eles podem ser confundidos com outras doenças.

Os principais sintomas de cancro no pulmão são:

  • Tosse persistente com ou sem presença de sangue
  • Dor no peito que piora com respiração profunda, risadas ou tosse
  • Rouquidão
  • Falta de ar e cansaço
  • Perda de apetite e de peso
  • Repetidos episódios de pneumonia e bronquite ou quadros persistentes destas doenças

Stacks Image 8522

As técnicas minimante invasivas são poderosas aliadas em todas etapas do tratamento. A recolha de matéria para biópsia é rápida e segura, o que agiliza o reconhecimento do tipo de câncer e escolha do tratamento mais eficaz. Havendo indicação cirúrgica, a intervenção é altamente eficaz e dependendo do caso e estado de desenvolvimento da doença, pode não ser necessário utilizar quimioterapia ou radioterapia como tratamentos auxiliares.

As cirurgias que utilizam técnicas minimamente invasivas permitem a remoção do cancro, na sua totalidade, sucesso que dependerá do tipo de câncer e nível de propagação. Também é feita a linfadenectomia, que é a resseção de linfonodos da área para evitar que a doença se alastre. A Porta Única “VATS”, técnica que utiliza uma única e pequena incisão de até 5 centímetros entre as costelas para remoção de massas, preserva a musculatura da parede torácica, diminuindo exponencialmente a dor no período pós-operatório.

A redução dos riscos de hemorragias e infeções e a atenuação da dor permitem rápida recuperação e o retorno do paciente às suas rotinas diárias. Estes resultados diminuem o desgaste psicológico de pessoas que precisam manter energia e foco para dar continuidade ao seu tratamento.

Pneumotórax

O Pneumotórax é um quadro médico que se desenvolve quando o ar dos pulmões se acumula entre estes e a parede torácica, causando dificuldade em respirar. Em casos mais severos há um deslocamento do coração e de outros vasos sanguíneos importantes, o que pode levar o paciente à morte. Há quatro tipos de Pneumotórax:

1. Pneumotórax espontâneo: Não há uma causa determinante para que este ocorra e é mais comum em pessoas na faixa dos 30 a 40 anos. Bolhas de ar se desenvolvem nos pulmões e podem romper-se, provocando um vazamento de ar para a pleura, que é a membrana que envolve os pulmões.

2. Pneumotórax traumático: O ar acumula-se entre os pulmões e a caixa torácica depois de uma pancada, queda ou outros acidentes.

3. Pneumotórax latrogénico: Ocorre depois da realização de um procedimento médico, como por exemplo a inserção de um cateter venoso central para passagem de medicamentos.

4. Pneumotórax hipertensivo: O estouro de uma bolha de ar pode causar uma lesão na pleura, fazendo com que o ar se acumule entre os pulmões e a parede torácica. Cada vez que a pessoa respirar, um pouco mais de ar se acumula nesta região e não é eliminado. Este acumular de ar pode levar à morte, já que os pulmões ficam comprimidos e eventualmente ocorrerá o deslocamento do coração ou outros vasos.

Os principais sintomas de um pneumotórax são:

  • Sensação de coração disparado
  • Falta de ar (dispneia) e cansaço
  • Dor súbita e aguda no tórax
  • Cianose, que é o escurecimento das extremidades do corpo e lábios por falta de oxigênio
  • Tosse

Stacks Image 8544

O diagnóstico é feito pelo exame clínico do paciente quando o quadro já se apresenta mais avançado. Em casos mais brandos, a presença de ar é detetada por exames de Raio-X e tomografias. O tratamento algumas vezes consiste em observar e aguardar a absorção do ar pelo organismo. Em casos graves, como o Pneumotórax hipertensivo, uma agulha ou dreno são usados para tirar o excesso de ar e salvar a vida do paciente.

Algumas pessoas podem ter outros episódios de Pneumotórax e em alguns casos, a pleura não cicatriza o suficiente para impedir novos vazamentos de ar. Em casos assim há indicação para a realização de uma intervenção chamada de Pleurodese e resseção de bolhas de enfisema por Videotoracoscopia.

Esta cirurgia é realizada utilizando-se técnicas minimamente invasivas. Uma pequena incisão é feita no peito do paciente e é introduzida uma fina câmera. Numa outra pequena perfuração, são inseridos equipamentos cirúrgicos. Um pedaço de gaze é utilizado para esfregar a região do vazamento, iniciando um processo inflamatório que levará a cicatrização do tecido. Para pacientes que apresentam repetidos episódios de Pneumotórax, um talco especial é utilizado para provocar a cicatrização. Desta forma o pulmão adere à parede torácica pleura parietal e é evitado um novo colapso pulmonar.

Quando são encontradas bolhas de enfisema no pulmão, estas são ressecadas no mesmo procedimento para evitar que voltem a ter fuga aérea.

Após a cirurgia, um dreno pode ser colocado no local da incisão para escoar o ar. O tempo médio de permanência no hospital é de 2-3 dias, após os quais, o paciente pode voltar as suas atividades normais.

O uso de técnicas minimamente invasivas é altamente indicado para tratamento de Pneumotórax, inclusive para pacientes que apresentam outras doenças associadas. A segurança oferecida por esta abordagem, diminuição dos riscos de intercorrências e rápida recuperação devolvem ao paciente qualidade de vida.

PectusExcavatum

Pectus é o nome genérico de deformações congénitas que ocorrem na parede torácica anterior. As causas destas alterações ainda são objeto de estudo, mas podem estar associadas a doenças genéticas como a Síndrome de Marfan.

O Pectus Excavatum é uma deformação da parede do tórax, causada por um crescimento anormal do osso esterno e das costelas, criando uma depressão no centro do peito. Essa alteração pode ser detetada na criança logo após o nascimento, mas agrava-se durante a fase de crescimento.

A depressão profunda no centro do peito pode comprimir órgãos como pulmão e coração, ocasionando problemas cardíacos e respiratórios. Quando o grau de deformação é severo, podem surgir algumas complicações associadas.

Como por exemplo:

  • Falta de ar
  • Pouca resistência às atividades físicas
  • Cansaço
  • Palpitações
  • Tonturas
Os portadores desta condição podem apresentar também problemas psicológicos relacionados à aparência e auto-estima, que se agravam com a chegada da puberdade. Os pais geralmente procuram tratamento cirúrgico para os filhos quando eles chegam à adolescência.

Stacks Image 8529

A cirurgia de correção do Pectus Excavantum através de abordagens minimamente invasivas utiliza a Técnica de Nuss, adotada há anos nos grandes centros de referência de Cirurgia Torácica internacionais e com alto índice de sucesso.

Antes da cirurgia, o paciente passará primeiramente por uma detalhada avaliação para exclusão de outras doenças. Depois, será submetido a uma série de exames para avaliação das funções cardíaca e pulmonar, como por exemplo o ecocardiograma, eletrocardiograma e teste ergométrico e estudo da parede torácica em 3D.

Após as avaliações físicas do paciente, será feita uma Tomografia Axial Computadorizada (TAC) para avaliar a gravidade do Pectus Excavatum e fazer um estudo anatómico com medidas para encomendar uma prótese feira à medida do tórax do doente. O paciente também será submetido a testes para verificar se apresenta alergia a metais.

A cirurgia é feita através de duas incisões laterais de 4 centímetros cada uma. Uma barra curva de metal, geralmente de titânio, moldada especialmente para o paciente é colocada para expandir as paredes do tórax. Dependendo da idade do paciente e da pouca elasticidade do tórax, pode ser necessário colocar duas ou três barras.

Os resultados estéticos são imediatos e após três anos será feita uma nova cirurgia, também com pequenas incisões e técnicas minimamente invasivas, para se retirar a barra. O período de recuperação é de cerca de sete dias, quando o paciente poderá gradualmente retomar as atividades normais.

As cicatrizes são quase impercetíveis, a recuperação é rápida e relatos de intercorrências são raros. Há uma melhoria significativa da função cardiopulmonar e da qualidade de vida, que ocorre principalmente pela superação dos problemas psicológicos e de autoestima.

PectusCarinatum

Pectus Carinatum é uma deformidade da parede do tórax, causada por uma elevação do esterno. O formato do peito lembra o de uma ave, por isso às vezes é conhecido como “Peito de pombo”. Escoliose e asma são males associadas a essa condição.

Quando o grau de deformação é severo, as queixas mais frequentes dos pacientes são:

  • Falta de ar
  • Pouca resistência às atividades físicas
  • Infeções respiratórias recorrentes
  • Dor nas costas
O Pectus Carinatum é observado logo após o nascimento, mas agrava-se na fase de crescimento. Normalmente os pais procuram pelo tratamento quando os filhos chegam à adolescência. A maior parte dos portadores queixa-se da saliência no peito que aparece sob a roupa, apresentam timidez, dificuldades de relacionamento e baixa auto-estima.

Quando o doente vem à consulta do cirurgião torácico (especialista em deformidades da parede torácica) é realizado um Estudo em 3D da parede torácica para avaliar o grau da deformidade e optar numa primeira iniciativa por tratamentos não cirúrgicos com a colocação dum colete ortostático feito à medida para cada doente. Este colete vai comprimir o esterno para o posicionar na posição normal.

Antes da cirurgia, o paciente passará primeiramente por uma detalhada avaliação para exclusão de outras doenças. Depois, será submetido a uma série de exames para avaliação das funções cardíaca e pulmonar, como por exemplo o ecocardiograma, eletrocardiograma e teste ergométrico.

Stacks Image 8368
Stacks Image 8549

Quando é um caso grave pode ser necessário recorrer à cirurgia. A cirurgia de correção do Pectus Carinatum através de abordagens minimamente invasivas utiliza a Técnica de Abramson, adotada há anos nos grandes centros de referência de Cirurgia Torácica internacionais e com alto índice de sucesso.

Após as avaliações físicas do paciente, será feita uma Tomografia Axial Computadorizada (TAC) para avaliar a gravidade do Pectus e fazer um estudo anatómico com medidas para a preparação das barras que serão utilizadas na cirurgia. O paciente também será submetido a testes para verificar se apresenta alergia a metais.

A cirurgia é feita através de três incisões bilaterais de 3 centímetros cada uma. São feitas pequenas resseções nos ossos das costelas e placas de titânio são afixadas. Em seguida, três barras de metal são colocadas transversalmente para comprimir o esterno e são presas nas placas.

Os resultados são imediatos e após três anos será feita uma nova cirurgia, também com pequenas incisões e técnicas minimamente invasivas, para se retirar as barras. O período de recuperação é de cerca de sete dias, quando o paciente poderá gradualmente retomar as atividades normais.

As cicatrizes são pequenas, a recuperação é rápida e relatos de intercorrências são raros. Há uma melhoria significativa da qualidade de vida, que ocorre principalmente pela superação dos problemas psicológicos e de auto-estima.

Observa-se também em alguns pacientes a associação de outras doenças como asma e escoliose. Pectus é o nome genérico de deformações congénitas que ocorrem na parede torácica anterior. As causas dessas alterações ainda são objeto de estudo, mas podem estar associadas a doenças genéticas como a Síndrome de Marfan.

O que é a Hiperidrose

A Hiperidrose, é uma desordem que causa transpiração excessiva em algumas regiões do corpo, como palmas das mãos, solas dos pés e axilas. O suor abundante aparece sem uma razão aparente, como o que surge após os exercícios físicos e calor.

Além de ser uma condição médica, a Hiperidrose causa angústia e ansiedade nos portadores desta disfunção, já que a transpiração excessiva aparece sob a forma de manchas nas roupas e mãos húmidas, causando constrangimentos nas relações profissionais e pessoais. O stress gerado em resposta a essas emoções pode agravar o quadro. Geralmente a Hiperidrose surge na infância e agrava-se com o passar do tempo.

Existem dois tipos de Hiperidrose:

  • Hiperidrose focal primária: O suor excessivo surge em algumas regiões do corpo como são mais frequentemente as mãos, axilas e pés e região crâniofacial e não tem causas definidas. Sabe-se que neste distúrbio o nervo simpático envia sinais às glândulas sudoríparas écrinas, que ficam hiperfuncionais, produzindo suor abundante.
  • Hiperidrose secundária: O suor é abundante em todo corpo. Geralmente surge em decorrência de uma doença, como por exemplo a diabetes ou como efeito colateral de alguns medicamentos, como a Dipirona.
O paciente normalmente procura ajuda médica em busca de soluções definitivas para o seu problema. O médico fará então uma criteriosa avaliação, baseada em exames laboratoriais, cardiológicos e cardiopulmonares para detetar se a sudorese é na verdade, um sintoma de alguma doença que ainda não foi diagnosticada.

Descartada a presença de outras moléstias, o médico fará então a indicação do tratamento mais apropriado que levará em conta a região do corpo afetada. Existem várias soluções disponíveis, de injeções de toxina butolínica, tratamento por micro-ondas e cirurgia torácica minimamente invasiva, que são simples e realmente eficazes. Para saber mais sobre os tratamentos disponíveis, clique aqui.

mao em agua

A cirurgia para correção da Hiperidrose é chamada de Simpaticectomia Torácica Superior Bilateral Vídeoassistida e é considerada a solução definitiva para esta disfunção.

A cirurgia é realizada em bloco operatório e o cirurgião torácico fará pequenas incisões de 3 a 5 mm nas laterais do tórax. Uma microcâmera que gera imagens de altíssima resolução é inserida para ampliar o campo de visão. Será utilizado um fino cateter para fazer a clipagem no exato local onde está o gânglio responsável pela estimulação das glândulas. Após a colocação de clipes de titânio, ocorrerá imediatamente a interrupção da transmissão de impulsos o que é traduzido com acordar da sedação da cirurgia com as “mãos secas”.

O período de internamento será de um dia e o paciente irá para casa no mesmo dia da cirurgia, retomando assim as suas rotinas diárias. Como as incisões são pequenas, o perigo de infeções é mínimo e a referência à dor é quase inexistente. O tempo de recuperação é curto e o paciente percebe rapidamente que a Hiperidrose deixa de existir.

Superar de uma disfunção que causava angústia e ansiedade é um dos maiores ganhos desta cirurgia. O fim dos constrangimentos e preocupações com manchas nas roupas e o desconforto que um simples aperto de mão causava aumentam a sensação de bem-estar e qualidade de vida do paciente.

Tumores noMediastino

Os tumores no mediastino são massas, benignas ou malignas que se desenvolvem no espaço entre os pulmões, que comporta órgãos como o coração, parte do esôfago, parte da traqueia, parte da aorta e timo.

Anterior: Parte frontal do tórax
Médio: Contém o saco pericárdico e seu conteúdo
Posterior: Coluna torácica

Em crianças, a maioria dos tumores encontrados nesta região são benignos. Em adultos, alguns são decorrentes de metástases, ou seja, uma nova formação tumoral que surge a partir de uma anterior. Na maioria dos casos, as massas cancerosas estão relacionadas com as regiões em que são encontradas. Assim, os tumores no mediastino encontrados com maior frequência e por região, são:

  • Tumores do mediastino anterior: Timoma, Carcinoma tímico, Tumores de células germinativas, Bócio, Adenoma da paratireoide e Linfoma, que pode ser dos tipos Linfoma Hodkin e Linfoma não Hodkin.
  • Tumores do mediastino médio: Cisto broncogénico e Cisto pericárdico.
  • Tumores do mediastino posterior: Cisto esofágico, Tumores de nervos periféricos e Tumores dos gânglios simpáticos.
A maioria desses tipos de câncer não apresenta sintomas singulares e muitas vezes são confundidos com outras doenças. O diagnóstico é feito através de exames como o Raio-X, tomografias e ressonâncias magnéticas, e os principais sintomas de tumores no mediastino são:

  • Tosse
  • Dispneia ou falta de ar
  • Dor torácica
  • Febre
  • Infeções respiratórias recorrentes

Stacks Image 8409
Stacks Image 8583

Quando um tumor é encontrado em num destes exames, utilizam-se técnicas minimamente invasivas para realizar a mediastinoscopia, procedimento este que permite um exame detalhado da região para verificar se há metástase e também punção de material para biópsia. Após a identificação do tumor e havendo indicação de cirurgia, as técnicas minimamente invasivas serão utilizadas em procedimentos chamados de VATS (Toracoscopia Videoassistida).

O cirurgião torácico introduzirá um aparelho com uma pequena câmera, que gera imagens em altíssima definição, acoplada na sua extremidade. Desta forma, garante-se ampliação do campo de visão. Após a localização do tumor, a região é demarcada e é feita a resseção do tumor e de uma pequena área em seu redor, como prevenção contra a formação de uma nova massa tumoral. Depois da cirurgia, o paciente poderá ter que utilizar um dreno, para prevenção de hemorragias.

Como a área da cirurgia é pequena e a remoção é objetiva, existe a preservação da musculatura da caixa torácica. O paciente sentirá menos dor, ficará menos debilitado, a recuperação será mais rápida e se houver necessidade de uso de terapias auxiliares como quimio e radioterapia, poderão ser feitas num intervalo menor de tempo. Esta é uma vantagem importantíssima na luta contra o câncer, já que alguns tumores apresentam rápido crescimento.

Quistos dopericárdio

Os quistos do pericárdio geralmente são formações benignas, que se caracterizam pela presença de fluído interno e cuja origem é congénita, isto é, formaram-se durante a fase de crescimento embrionário.

O pericárdio é uma membrana sacular que envolve o coração e as raízes dos grandes vasos. Sua função principal é a proteção e sustentação do coração no diafragma. Tem capacidade de expansão durante as contrações e possui uma camada interna, que contém líquido suficiente para a lubrificação dos músculos cardíacos.

Estes quistos geralmente são assintomáticos e são encontrados acidentalmente em exames de rotina, como Raios-X. Embora sejam formações benignas, o seu crescimento exagerado comprime outros órgãos e podem levar o paciente a desenvolver o quadro de Insuficiência Cardíaca.

Os principais sintomas de quistos do pericárdio são
:

  • Dor em um ombro que irradia para outro
  • Palpitações
  • Falta de ar
  • Sensação de peso no peito
O diagnóstico é feito por Ecocardiograma e a localização e o dimensionamento são obtidos por exames de Tomografia Computorizada ou Ressonância Magnética.

A cirurgia é feita por toracoscopia, utilizando técnicas minimamente invasivas e Porta Única (VATS), que é uma incisão de pouco mais de 3cm feita entre as costelas. Na extremidade do aparelho, há uma micro câmera capaz de gerar imagens em alta definição e em 3D, o que auxilia o cirurgião a ter ampla visão da região. É feita a resseção do tumor, que é embalado, evitando assim seu rompimento durante a retirada. O paciente pode precisar de um dreno local por um ou dois dias.

A musculatura do tórax é preservada, o que reduz a dor no pós-operatório. Com menos dor, o paciente recupera com maior facilidade. O risco de infeção é mínimo e o regresso a casa pode ocorrer em 5 dias após o procedimento.
Livre do tumor, o paciente pode voltar a realizar atividades e ter uma vida normal e plena.

Stacks Image 8600
Rede Hospitalar

A UMICS® conta com uma rede hospitalar em continuo crescimento, com o objectivo de
satisfazer os nossos pacientes nas diferentes áreas da medicina.

PEÇA-NOS MAIS INFORMAÇÕES

Para qualquer esclarecimento poderá contactar os nossos serviços de Patient Care através do preenchimento do formulário em baixo

Mais de 1.000 casos de sucesso

Equipa especializada com mais de 20 anos de experiência

Tratamentos comparticipados pela maioria das seguradoras de Saúde

Este campo contem caracteres alfanuméricos
Obrigado, a sua mensagem foi enviada com sucesso.×
Ocorreu um erro, por favor verifique os dados inseridos×

UMICS © 2018 | Políticas de Privacidade | Termos e Serviços | Cookies | Mapa do Site | Contactos